O sabor da brasa!

A grelha pode ser tipo moeda, convencional, parrilla argentina ou outra, mas uma coisa é inegável: o “sabor da brasa” é incomparável a outros tipos de preparo!


Isso acontece por conter partículas de hidrocarbonetos aromáticos, que são os responsáveis pelo sabor específico de todo e qualquer produto comestível que é exposto à fumaça da queima de qualquer material orgânico.

Por esta razão, além de comprar uma boa carne e saber assar, você precisa de um bom carvão e fazer um bom braseiro. Alguns especialistas dão preferência aos de acácia negra que produzem mais calor. A alta caloria deste tipo de carvão faz a brasa se propagar muito mais rápido, sem muitos esforços com abanos para o churrasqueiro. A temperatura elevada deixa a carne no ponto em menos tempo e a durabilidade é maior para render mais. Se não bastasse tudo isso, a árvore trazida da Austrália ainda confere um sabor único para a carne.

Muito importante não colocar a carne na grelha antes de todo o carvão estar em brasa. A queima inicial do carvão libera uma substância altamente tóxica para o nosso organismo: o alcatrão.  É uma mistura de substâncias betuminosas, espessa, escura e de forte odor, que se obtém da destilação de certas matérias orgânicas, principalmente de carvão, ossos e de algumas madeiras resinosas. 

Quando se fala em carne e saúde, nutrólogo Paulo Henkin, Chefe do Serviço de Nutrologia do Hospital Ernesto Dornelles, de Porto Alegre e membro da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia) faz um alerta: "Tem gente que adora comer aquela fatia bem queimada, quase preta. Isso é perigoso, porque haverá a presença de nitrosaminas, compostos químicos cancerígenos. Se ela for bem passada não é uma boa ideia consumi-la.”

Para não abrir mão desse prazer, mas manter a segurança, o nutrólogo dá uma dica. "O ideal é deixar a carne a uma distância maior da brasa. Nos Estados Unidos costumam assar a um palmo. Isso é péssimo. O indicado é que a carne fique a 50, 80 cm do fogo.”

Seja como for, o uso da brasa para preparar alimentos é um método milenar e também muito saboroso. Nos remete a momentos de confraternização social e traz uma memória gustativa bastante interessante. Não por acaso, a memória gustativa tem um poder involuntário que nos faz ter uma consciência de um sabor que remete ao passado.

Então, seja no restaurante ou em casa, faça um esforço e troque a tradicional churrasqueira a gás ou a chapa por um processo na brasa. Aí é só aguardar os elogios de sua audiência!