Carne Bovina para Negócios: Sete Dicas para Queimar seu Empreendimento

Utilizando uma psicologia reversa, vamos abordar sete passos infalíveis para implodir um negócio de alimentação e ajudar o empreendedor a esquecer, de uma vez por todas que, gerenciando bem e se atentando a importantes detalhes, as coisas poderiam ser diferentes.


Empreendedores do ramo de alimentação, muito especialmente que trabalham com carne bovina, têm o desafio constante de combinar a arte de administrar com a capacidade de vidência no médio e no longo prazo. Esses empresários, sobretudo os que procuram atingir um nicho diferenciado, tem mais dificuldade em perceber perdas de produtividade ao longo do tempo por que elas se diluem e confundem com outros insumos, com as alternâncias da regularidade da oferta de matéria prima e das oscilações de mercado.

Utilizando uma psicologia reversa, vamos abordar sete passos infalíveis para implodir um negócio de alimentação e ajudar o empreendedor a esquecer, de uma vez por todas que, gerenciando bem e se atentando a importantes detalhes, as coisas poderiam ser diferentes. Preparados para começar nosso roteiro de insucesso garantido e de uma morte lenta e agonizante?

1. Venda! Seu objetivo é ser um vendedor. Não perca tempo ou ensine nada a seu cliente. Venda. Venda. Venda. Venda. Quanto mais, melhor, mesmo que ele saia arrependido de ter comprado tudo aquilo. Afinal, você já atingiu seu objetivo, certo? Se ele tiver dúvida sobre o que levar/pedir, empurre o produto de maior margem e nem se preocupe se tem a ver com o que ele está buscando. É a venda que garante seu sustento!

2. Qualidade é seu diferencial. E matéria prima cara é sinal de qualidade. Esta precisa ser sua principal preocupação. Então busque os cortes mais caros do mercado, dos rebanhos mais exóticos, dos lugares mais conhecidos. Dê preferência aos importados, afinal, no Brasil não há qualidade… Nelore, por favor, passe longe! Busque somente os cortes da moda, que não tem como errar!

3. Concorrência: preocupe-se com ela. Veja o que seu concorrente direto está fazendo. Copie, não perca tempo criando nada novo… Vá atrás de quem já fez e faça igual. Ser genérico é a melhor forma de atender a todos e não perder nenhum cliente. E se precisar, encha seu estabelecimento de promoções, assim vai ganhar seus clientes pelo preço.

4. Envolva-se totalmente com as questões administrativas e não se preocupe em conhecer e aprender sobre a carne. Não precisa perder tempo com isso. Afinal, hoje as pessoas já tem acesso a tudo pela rede. Vá na onda do mercado que está tudo certo. Carne bovina é um produto simples de compreender. Basta começar a trabalhar com ele, aprenderá tudo de forma intuitiva e sozinho!

5. Não meça nada. Rendimento dos cortes, reclamações de clientes, padrão de matéria prima, ticket médio, custo de produção, horário de entrega de mercadoria, PVPS, entre outros indicadores criam muita confusão e dão uma trabalheira enorme. No final, eles não servem para nada. No fim das contas, tudo pode mudar, por mais que você possa prevenir alguma situação. Usar aquela qualidade inquestionável de cortar um pedaço de carne e pesar com os olhos será suficiente.

6. Não perca tempo querendo entender como o seu cliente gosta ou pensa. Afinal se ele te procurou é por que você sabe o que é melhor. Imponha o que e como ele deve comer. O ponto da carne? A quantidade de gordura? O tipo de corte? Não cometa o erro de perguntar. Você sabe o que é melhor para ele. Para negócios que se valorizam de verdade, a opinião do cliente é o que menos conta. Siga sua intuição e conhecimento. Ele precisa aceitar!

7. Equipe capacitada em negócio de alimentação? Só pode estar brincando! Com a alta taxa de rotatividade, é perda de tempo e investimento treinar seus colaboradores. Deixe a água rolar e esteja SEMPRE por perto de seus funcionários para garantir que nada sairá errado. Isso dá muito mais certo do que perder rios de dinheiro treinando e capacitando a equipe para depois perdê-los para o mercado, acredite. É só não tirar seus olhos da operação, que tá resolvido!

Dica EXTRA! Esta é uma dica muito importante para que você não se sinta um empreendedor do período jurássico.

8. Esteja sempre na liderança tecnológica para alimentar o bate papo nas rodas de amigos. Adote toda e qualquer tecnologia da hora. Em produtos/raças/cortes diferentes e/ou equipamentos milagrosos sem se importar com o custo benefício ou sua aplicabilidade em seu modelo de negócio.

Pronto! Agora é apenas uma questão de tempo para seu negócio implodir. Pega logo o seu salva vidas se não quer afundar junto com ele!

Nem é preciso se afobar por que, se seguiu direitinho todos os passos, o processo será rápido. Ah, mas tem uma coisa, tão desimportante quanto seu próprio negócio nessas alturas do campeonato: lamentavelmente você não irá poder apreciar as etapas da destruição pois elas são dissimuladas e quase silenciosas, confundidas naquelas alternâncias naturais de bonanças e tempestades. Quando se der conta, ela já terá terminado e terá sido indolor. Lamentavelmente, o pior, na verdade, está para começar…

Claro que isso tudo é uma maneira provocativa de chamar sua atenção para erros que são mais comuns do que se imagina no mercado da carne… e não precisa se manifestar, mas identificou com alguns deles na sua operação?

Aqui temos três possibilidades de resposta mental:

“Olha, Andréa, algumas delas, não exatamente como falou, mas acontecem ou já aconteceram por aqui…” Show! Identificar que o problema existe é uma importante etapa para decidir se quer ou não tratar;
“Puxa, fico até envergonhado (a)… não estou tão dentro da operação para saber se ocorre ou não..” Alerta amarelo! Faça uma imersão nos processos para ter condição de diagnosticar se existem falhas, quais são elas e como corrigir;
“Não, nada disso que falou aqui acontece no meu negócio, aliás, não concordo que sejam de fato, problemas. Estou no mercado há diversos anos e continuo tendo resultados, pra que mudar..?” BOOOOM! Aqui acendo um alerta vermelho! Grande parte dos negócios que fecham, eram considerados bons até entrar pra estatística…

Isso acontece por que às vezes não queremos perceber que o mercado tem se diferenciado, que o consumidor de carne mudou e que a forma de se relacionar com ele precisa ser atualizada! E como você faz para se atualizar? Observando, estudando, acessando mentes que já vivenciaram, que estão em constante estado de atenção para escutar, testar, aplicar, corrigir rota, padronizar, etc…
Então, meu pedido a você, que respondeu mentalmente a opção 3 (ou próximo disso), reavalie. O que funcionou até hoje não significa que continuará funcionando sem que haja ajustes. Mas também devo ressaltar uma frase que gosto muito de lembrar: aquilo que você não sabe não anula aquilo que você já sabe! Nada de travar! Aprimore aquilo que já faz e dá certo e busque novas fontes de informação e conhecimento para não ficar para trás!

“Mas Andréa, como eu vou saber de que maneira resolvo esses erros que acabou de descrever…?” Vamos focar primeiro na identificação do problema, depois na tratativa. Mas se pudesse te sugerir por onde começar, eu diria: Diferencie-se! Além de ser bom, quão memorável você é? As pessoas têm vontade de bater uma foto ou fazer um vídeo para mostrar o que você está fazendo ou o que está lhes proporcionando?

Fica ligado nos demais textos desta sessão e seja um devorador de conteúdos interessantes e relevantes para o entusiasta da carne bovina que quer atingir o próximo nível!

P.S.: A estrutura do texto se baseou em um artigo publicado na Revista Globo Rural, de Jan. 2018 que infelizmente não consigo encontrar para citar adequadamente!