"Deus ajuda quem cedo mensura...!"

Dois Zootecnistas, pesquisadores da UNESP, usam modelagem de dados para detectar resultados no confinamento até 10 semanas antes do boi seguir para o abate


Este foi o tema do meu primeiro artigo no Agronews, agora sendo publicado aqui no TC!

Eu nem preciso mencionar o quanto estou feliz em escrever um tema completamente exclusivo, nos quais os resultados foram divulgados este ano de 2019, no o Encontro de Confinamento e Recriadores, realizado pela Scot Consultoria, em Ribeirão Preto – SP. O evento reforça a importância do emprego da tecnologia para sustentabilidade da atividade pecuária na fazenda. 

O professor da UNESP de Dracena, Zootecnista e também Ph.D. em Nutrição de Ruminantes, Danilo Millen e seu orientado de mestrado, Antônio Silvestre, fizeram, em parceria com uma universidade norte americana, um dos primeiros trabalhos deste segmento no Brasil, utilizando a modelagem de dados, conhecida por Big Data. As soluções de Big Data são feitas para lidar com um grande volume de dados não-estruturados. Os Zootecnistas analisaram dados de mais de 400 mil animais confinados nos Estados Unidos e adaptaram os resultados à realidade brasileira. O melhor disso tudo: descobriram como corrigir a rota de resultados negativos ou ampliar os ganhos de resultados positivos sem gastar nenhum centavo para confinar animais.

Como foi a aplicação prática e os benefícios que a pesquisa vai trazer à cadeia da carne do nosso país, eles nos contaram na entrevista exclusiva, realizada pelo Território da Carne, logo após a divulgação dos resultados.

Confira na íntegra.

Espero que goste, um forte abraço,